• Os Puritanos

A Regeneração » Joel Beeke



​​

A DOUTRINA DA ELEIÇÃO — A REGENERAÇÃO

Poucas palavras, no grego Neotestamentário, são mais importantes do que palingenesia, que significa “novo nascimento, renovação, restauração, ou regeneração”. É um termo abrangente, para a obra do Espírito Santo, que habita em nós e nos santifica, para sermos membros de Cristo, aplicando a nós aquilo que temos em Cristo, ou seja, o lavar dos nossos pecados e a renovação diária de nossas vidas (na forma do batismo).

A regeneração tem a ver tanto como a vida Cristão começa, quanto como ela se desenvolve ao longo do tempo. Toda a vida criada tem um nascimento ou começo, o qual é, na verdade, a culminação de um processo que estava em andamento a algum tempo. No tempo e no modo designado por Deus, o Espírito Santo começa este trabalho em nós, vivificando o coração, iluminando a mente, renovando a vontade, e incutindo um novo ódio pelo pecado e uma nova fome e sede por justiça. Moldando-nos a Cristo, Ele nos capacita para usar a mão da fé para receber a salvação oferecida a nós no evangelho.

Esta passagem da morte para a vida é chamada de “novo nascimento”. Ele se manifesta como a transição da descrença para a fé em Cristo. Note, contudo, que nós não cremos, por conta própria, no novo nascimento. Ao invés disso, nós somos “nascidos de novo” para a fé em Cristo, como as primícias da Sua graça operando em nós. Quando Cristo diz, “importa-vos nascer de novo” (João 3:7), Ele está nos mostrando a nossa necessidade, e não nos contando como alcançar isto. A ordem do evangelho é, “Crê no Senhor Jesus” (Atos 16:31). Aqueles que são nascidos de novo creem somente em Cristo para a salvação, e são salvos.

Contudo, assim como os seres humanos começam suas vidas como pequenas crianças que precisam se desenvolver, crescer e amadurecer como adultos, assim também o novo nascimento é apenas o começo de um longo processo. Este processo é a regeneração em curso, ou a santificação progressiva do crente. De modo crescente, o velho homem é mortificado ou condenado à morte, e o novo homem em Cristo é vivificado ou trazido à vida, e habilitado a dar frutos.

Como resultado do novo nascimento, o crente pode cooperar em sua santificação, desenvolvendo a salvação que Deus está operando nele, “tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2:12-13). Contudo, o que começou nesta vida, só irá ser perfeito na glória da vida por vir; qualquer caminho proposto para alcançar a “completa santificação” é uma esperança falsa. Nós nunca superamos a nossa necessidade de purificação dos pecados pelo sangue de Cristo.

Os sacramentos do batismo e da Seia do Senhor refletem este duplo significado de regeneração. O primeiro é um ritual de iniciação, administrado apenas uma vez, como um sinal de um novo nascimento que acontece apenas uma vez. O segundo é um ritual de nutrição, significando o caminho pelo qual as nossas almas são nutridas e revigoradas, alimentando-se em Cristo como o verdadeiro alimento e a verdadeira bebida da vida eterna. Eles precisam ser administrados frequentemente, porque a nossa nova vida ainda é criada, uma vida dependente que irá minguar e morrer, se não for reabastecida e sustentada.

É errado pensar que o batismo, por si só, pode renovas os nossos corações e lavar os nossos pecados. Estes efeitos espirituais não são produzidos por elementos terrenos e atos humanos. “Somente o sangue de Jesus Cristo e o Espírito Santo nos purificam de todos os pecados” (Catecismo de Heidelberg, Q.72). O lavar externo do corpo é apenas um sinal da obra de Cristo e do Espírito Santo. O sacramento representa, de uma forma visível, a operação interna e invisível de Deus, assegurando-nos a sua realidade e poder.

Há uma longa história na leitura da frase “lavar regenerador” (Tito 3:5), como uma referência para o batismo. No entanto, também é possível ler esta frase como uma descrição tanto do novo nascimento, quanto da obra regeneradora do Espírito, ou seja, um “lavar” que vivifica e restaura o crente. De qualquer forma, não há nada nesta passagem que dá suporte para a ideia de regeneração batismal.

_______________

​Trigésimo quinto artigo da série "Grandes Doutrinas da Fé Cristã Reformada". Publicado com autorização

* The Reformation Heritage KJV Study Bible, Joel R. Beeke (editor geral), Reformation Heritage Books (RHB), Grand Rapids, Michigan, 2014, “List of In-Text Articles”. http://kjvstudybible.org

#JoelBeeke #TheReformationHeritageKJVStudyBible #FéReformada #GrandesDoutrinasdaFéCristãReformada #DoutrinadaEleição #Regeneração

146 visualizações

SOBRE OS PURITANOS

 

O Projeto Os Puritanos é um ministério sem fins lucrativos, nascido há mais de 25 anos e comprometido com as Escrituras Sagradas e com a exposição sistemática das verdades bíblicas conhecidas como a fé Reformada. O próprio nome "Os Puritanos" sinaliza claramente que nossa teologia tem sido e continua a ser conformada aos documentos teológicos conhecidos como a Confissão de Fé de Westminster e seus catecismos, em harmonia com os ricos tesouros dos credos e confissões da histórica tradição Reformada — as Três Formas de Unidade (Confissão Belga, Catecismo de Heidelberg e os Cânones de Dort).

Mais sobre Os Puritanos
  • Facebook App Icon
  • Twitter App Icon
  • YouTube App Icon
  • Google+ App Icon
  • Pinterest Basic Square
  • LinkedIn App Icon
  • RSS App Icon

Receba notificações de Os Puritanos em seu email

© 2014 by Os Puritanos