Apostasia do Evangelho

Início abandonada
Apostasia do Evangelho

A ideia de que crentes professos talvez não sejam verdadeiros cristãos é, sob vários ângulos, uma perspectiva séria demais para nossa época complacente.

Apostasia do Evangelho

Adquira já!

Pode um cristão professo abandonar a fé

200 páginas • 12,7 x 1,8 • 21,6 cm

Sobre o livro

Poucos assuntos recebem dos cristãos contemporâneos menos atenção do que o da apostasia. A ideia de que crentes professos talvez não sejam verdadeiros cristãos é, sob vários ângulos, uma perspectiva séria demais para nossa época complacente. Mas para John Owen, observar o silêncio que existe sobre o assunto foi a razão premente que o motivou a escrever detalhadamente e com grande profundidade de análise espiritual sobre o tema. Sua exposição é uma obra-prima de penetração e discernimento.

A igreja primitiva era cautelosa com respeito a quem admitia à comunhão dos irmãos. Qualquer cristão que pecava, só era readmitido à comunhão se houvesse arrependimento ostensivo.

Mas onde pecados notórios e escandalosos fossem cometidos, tais como assassinato, adultério ou idolatria, não se permitia nenhuma readmissão à comunhão da igreja. Isso acontecia especialmente quando um cristão cometia idolatria por medo de ser martirizado por causa de sua fé. 

A Igreja de Roma, no entanto, era considerada muito negligente e branda em sua disciplina. Tertuliano acusa Zeferino, Bispo de Roma, de receber adúlteras arrependidas e readmiti-las à comunhão da igreja.

Novacio e Novaciano se opuseram a essa frouxidão, indo ao extremo oposto. Negaram toda esperança de perdão e volta ao rol da igreja a qualquer pessoa que pecasse depois do batismo. Mas os seguidores de Novacio e Novaciano, horrorizados com disciplina tão extremista, preferiam deixar todas as pessoas, quando arrependidas, à mercê de Deus, e só se recusavam a readmitir aqueles que haviam cometido crimes notórios e escandalosos.

Pano de fundo histórico

A igreja primitiva era cautelosa com respeito a quem admitia à comunhão dos irmãos. Qualquer cristão que pecava, só era readmitido à comunhão se houvesse arrependimento ostensivo.
Mas onde pecados notórios e escandalosos fossem cometidos, tais como assassinato, adultério ou idolatria, não se permitia nenhuma readmissão à comunhão da igreja. Isso acontecia especialmente quando um cristão cometia idolatria por medo de ser martirizado por causa de sua fé. 


A Igreja de Roma, no entanto, era considerada muito negligente e branda em sua disciplina. Tertuliano acusa Zeferino, Bispo de Roma, de receber adúlteras arrependidas e readmiti-las à comunhão da igreja.


Novacio e Novaciano se opuseram a essa frouxidão, indo ao extremo oposto. Negaram toda esperança de perdão e volta ao rol da igreja a qualquer pessoa que pecasse depois do batismo. Mas os seguidores de Novacio e Novaciano, horrorizados com disciplina tão extremista, preferiam deixar todas as pessoas, quando arrependidas, à mercê de Deus, e só se recusavam a readmitir aqueles que haviam cometido crimes notórios e escandalosos.


Eles tentaram estabelecer essa disciplina a partir da própria natureza do batismo, que nunca deveria ser repetido. A ideia deles era que nenhum perdão poderia ser concedido àqueles que caíam em pecados dos quais haviam sido limpos na ocasião de seu batismo. Supunham que isso era o ensino na Epístola aos Hebreus 6.4-6. Portanto, como sempre acontece quando os homens pensam enxergar algum ensino ou doutrina especial em um texto ou passagem da Escritura, e não expõem sua interpretação à totalidade da luz da Palavra de Deus, esses versículos foram lamentavelmente mal entendidos e mal usados.

Apostasia do Evangelho

Adquira já!

Pode um cristão professo abandonar a fé

200 páginas • 12,7 x 1,8 • 21,6 cm

Conteúdo do livro

1. A NATUREZA E AS CAUSAS DA APOSTASIA DO EVANGELHO
2. APOSTASIA PARCIAL DO EVANGELHO
3. APOSTASIA DA VERDADE DO EVANGELHO
4. AS RAZÕES E CAUSAS DA APOSTASIA
5. TREVAS E IGNORÂNCIA: UMA CAUSA DE APOSTASIA
6. ORGULHO, NEGLIGÊNCIA, E AMOR AO MUNDO: CAUSAS DE APOSTASIA
7. APOSTASIA DAS DOUTRINAS DO EVANGELHO
8. APOSTASIA DOS MANDAMENTOS DO EVANGELHO
9. APOSTASIA E O MINISTÉRIO ORDENADO
10. MAIS CAUSAS DE APOSTASIA
11. APOSTASIA DO CULTO EVANGÉLICO
12. OS PERIGOS DA APOSTASIA GENERALIZADA
13. DEFESAS CONTRA A APOSTASIA

Sobre o autor

John_Owen_by_John_Greenhill.jpg

John Owen nasceu em 1616 e cresceu numa pacata casa pastoral no Condado de Oxford, havendo ingressado na Universidade de Oxford com a idade de doze anos, obtendo o grau de Bacharel em Letras em 1632 e de Mestre em Letras, em 1635. Owen é um dos mais proeminentes teólogos que a Inglaterra já produziu.

O primeiro livro de Owen foi publicado em 1642, e seu último livro estava sendo impresso quando ele morreu, em 1683. Suas obras publicadas constituem um total de vinte e quatro volumes.

Owen foi capelão pessoal de Oliver Cromwell durante alguns anos, sendo levado por este a pregar no Parlamento várais vezes, a partir de 164. Ele pastoreou três igrejas durante sua vida.

Casou-se duas vezes; sua primeira esposa morreu em 1676. Teve onze filhos, nunhum dos quais sobreviveu a ele. Seu túmulo é ainda preservado no cemitério de Bnhill Fields, City Road, Londres.

capa.jpg

Conheça um pouco mais da obra.

Baixe UMA AMAOSTRA DO LIVRO

Apostasia do Evangelho

Adquira já!

Pode um cristão professo abandonar a fé

200 páginas • 12,7 x 1,8 • 21,6 cm

Veja o vídeo com Joel Beeke e conheça um pouco mais da piedade de John Owen

Apostasia do Evangelho

Adquira já!

Pode um cristão professo abandonar a fé

200 páginas • 12,7 x 1,8 • 21,6 cm

APOSTASIA DO EVANGELHO

Copyright © 2001 | John Owen

Traduzido do original em inglês: Apostasy From The Gospel
© 2021 Editora Os Puritanos.