top of page
  • Foto do escritorOs Puritanos

Cristãos miseráveis?

Depressão, melancolia e bílis negra. Muitos cristãos já tiveram, têm ou ainda vão ter, e parece estar piorando, se olharmos quantos afirmam estar sofrendo de 'estresse' e doenças relacionadas ao estresse. Está realmente piorando? Ou agora estamos mais conscientes disso? As pessoas eram mais relaxadas e satisfeitas nas gerações passadas? Ou a sociedade criou uma geração de desajustados em desacordo consigo mesma e com a vida?


Tudo isso é enfatizado com regularidade ao lidar com outros crentes. Perder o zelo é uma coisa, mas cair na escuridão do desespero é outra. Sem sucumbir à psicologia e terapia, entorpecentes que, ao que parece, têm sido a dieta básica para muitas pregações em nossa geração, duas coisas são de ajuda constante.


1. O exemplo de Elias


Aqui estava alguém que ficou desanimado com o que considerava uma série de fracassos. Seu próprio fracasso, o fracasso em ver o julgamento cair, o aparente fracasso de Deus em honrar suas promessas e palavras. Foi demais!


2. O Salmo 88


Quantas vezes o povo do Senhor chega aos meios públicos de graça abatido, mas incapaz de comunicar isso sem desencorajar os outros. Doem por dentro, mas sorriem. Eles estão com dor, mas permanecem em silêncio. Frequentemente, em muitos lugares, eles chegam apenas para lutar cantando o verso cômico masoquista repetitivo, banal e irreal que passa por elogios.


O que então os cristãos miseráveis ​​devem cantar?


Essa pergunta foi feita por Carl Trueman, que fez uma série de pontos úteis conforme editado e resumido abaixo.


Primeiro, há a linguagem do culto contemporâneo. Uma dieta de coros e hinos incessantemente alegres inevitavelmente cria um horizonte irreal de expectativa que vê a vida cristã normativa como uma longa festa de rua triunfalista! Saúde, riqueza e felicidade corromperam o conteúdo da adoração.


Em segundo lugar, a exclusão das experiências e expectativas dos salmistas prejudicou a igreja e transformou os cristãos em duendes espirituais. Ao excluir os gritos de solidão, desapropriação e desolação de sua adoração, a Igreja efetivamente silenciou e excluiu aqueles que estão sozinhos e desolados.


Em terceiro lugar, ao excluir os salmos, endossou implicitamente as aspirações banais do consumismo, gerou um cristianismo insípido, trivial e irreal e confirmou suas credenciais como um clube para os complacentes.


Que alívio para o crente pressionado abrir o livro dos hinos de Deus e cantar o que realmente está em nossos corações. Como diz Trueman, aprendamos mais uma vez a lamentar com o vocabulário, a gramática e a sintaxe dos salmos. Isso nos dará os recursos para enfrentar os momentos de sofrimento, desespero e desgosto, e para continuar adorando e confiando nos dias mais sombrios.


Além disso, você desenvolverá uma maior compreensão dos companheiros cristãos cujas agonias tornam difícil para eles cantarem: 'Jesus me quer por um raio de sol'. Então também você terá coisas mais credíveis para dizer aos indivíduos despedaçados e quebrados.


O preço de abandonar o canto dos salmos resultou na norma do anêmico, do frívolo, do sintético e do mundano. Os duendes espirituais substituíram os gigantes espirituais. Mas tudo não está perdido. Ao contrário, a perspectiva e a aspiração dos cristãos se expressam assim:

1 Seja Deus gracioso para conosco, e nos abençoe, e faça resplandecer sobre nós o rosto; 2 para que se conheça na terra o teu caminho e, em todas as nações, a tua salvação. SL 67:1-2
 

Rev. E Trevor Kirkland. Tradução livre do artigo disponível no site da Free Church of Scotland Continuing. Artigo original em inglês disponível aqui. A FCSC também está em Portugal, conheça-a clicando aqui.



639 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 תגובות


roseli.rosendo
31 בינו׳ 2023

O livro de Jó contém o relato de um homem íntegro que permaneceu fiel mesmo em meio a duras provações. A experiência de Jó nos convida a refletir sobre perguntas difíceis a respeito das causas do sofrimento, a fragilidade da existência humana e os motivos para crer em Deus mesmo quando a vida parece injusta.

לייק

Fogo Monergístico
Fogo Monergístico
31 בינו׳ 2023

Um preço maior do que abandonar o canto dos salmos, é deixar de CRER nos Salmos e mesmo assim canta-los "exclusivamente". Os salmos nunca foram um ode à derrota e ao desespero. Neles, a experiência da fragilidade humana sempre é superada pelo poder invencível de um Deus soberano, que faz milagres, que prospera e cura aquele que clama a ele com fé. Os salmos só serão um lamento e uma aprovação para tristeza e miséria no canto exclusivo dos incrédulos.

לייק
bottom of page