• Os Puritanos

Moderação Cristã no Vestir — O que a Bíblia ensina?

“Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos, Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.” (1 Timóteo 2:9-10).


Nosso tema é Moderação Cristã no Vestir — O que a Bíblia ensina? Cristo é nosso Rei, e os Cristãos o reconhecem como tal. Isto significa que a vida como um todo deve estar sujeita à Sua Palavra. Se a Bíblia diz algo sobre a forma de vestir, e ela diz, então, cabe-nos ouvir e obedecer.

O ESCOPO DO ASSUNTO


Primeiro, não lidaremos com questões de preferência na forma de se vestir. Isto pertence ao campo da Liberdade Cristã. Algumas pessoas são mais sensíveis que outras ao arranjo, a combinação das cores, etc., do que outros. Portanto, não é papel do ministro da Palavra de Deus pronunciar-se sobre tais assuntos, pois seria extremamente insensato fazê-lo.


Segundo, no momento não lidaremos com questões de gênero, isto é, questões relacionadas às distinções do traje masculino e feminino. Não porque não haja o que dizer sobre isso, mas, porque o tema já é bastante amplo.


Terceiro, vamos nos limitar à moderação sexual no vestir. Esta é uma questão de princípio moral. O Senhor Jesus Cristo disse: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para cobiçá-la, já em seu coração cometeu adultério com ela”. (Mateus 5:27-28). Se um desejo lascivo como este é uma violação do sétimo mandamento, então, vestir-se intencionalmente de maneira que provoque ou estimule tal pecado, também deve ser pecaminoso. Por esta razão, o Catecismo Maior de Westminster ensina que o sétimo mandamento ensina que “moderação no vestuário” (Resposta 138) e proíbe “imoderação no vestuário” (Resposta 139).


Quarto, olharemos especificamente a questão da moderação sexual feminina. Há razão para isso. Não é que a questão da moderação sexual do vestir seja completamente irrelevante para os homens. Existem modas masculinas que são projetadas para realçar a forma corporal masculina que certamente os cristãos deveriam evitar. No entanto, o problema é maior em relação à moda feminina. E por quê isso? Porque os homens, em geral, são muito mais afetados pelo que veem, do que as mulheres. As mulheres, em geral, são afetadas por uma combinação de estímulos, diferentemente dos homens. O desejo sexual é imediatamente despertado nos homens pelo olhar. “Fiz aliança com os meus olhos; como, pois, os fixaria numa virgem?” (Jó 31:1). Outros trechos da Escritura confirmam esta ênfase de que os homens pecam facilmente ao olhar para uma mulher. O Catecismo Maior de Westminster nos dá como base bíblica, nas respostas mencionadas anteriormente, o texto que começa com: “Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia” (1 Timóteo 2:9). Isto se refere especificamente ao vestuário feminino. O papel dos homens na liderança da igreja é enfatizado nos versos anteriores e depois o apóstolo se dirige às mulheres dizendo-lhes que devem se vestir com modéstia. Em seguida, ele passa a outros assuntos de ordem e decoro, governo e ofícios na igreja, no capítulo três. Outro texto mencionado pelo Catecismo Maior é Provérbios 7:10, no qual é mencionado os “enfeites de prostitutas”. E, em Isaías 3:16, constata-se que as mulheres, particularmente, são reprovadas tanto pela forma de se vestir como pelo seu comportamento. “Diz ainda mais o SENHOR: Porquanto as filhas de Sião se exaltam, e andam com o pescoço erguido, lançando olhares impudentes; e quando andam, caminham afetadamente, fazendo um tilintar com os seus pés” (Isaías 3:16).


Quinto, isto não é um ataque às mulheres; não é misoginia. Nem reflete qualquer desrespeito às mulheres, muito pelo contrário. O que queremos é destacar a dignidade das mulheres Cristãs ― afim de que não sejam desvalorizadas por se conformarem com as normas deste mundo. Visto que a Escritura se refere especificamente ao moderado traje feminino, então é certo que isto seja explicado.


Sexto, não devemos supor que haja má intenção em alguma irmã em Cristo que se vista de forma imoderada. Pois é um dever do cristão ser caridoso em seus julgamentos e atribuir as melhores intenções ao que os outros cristãos fazem. Há mulheres cristãs que não têm a menor ideia do efeito que produz nos homens, o seu modo vestir. Não devemos supor outros motivos além deste sem uma boa justificativa. Nem os jovens que lutam contra o pecado sexual, devem se amargurar e supor más intenções em suas irmãs em Cristo.


Sétimo, qualquer falha encontrada em mulheres cristãs nesta questão, deve ser vista também como uma possível falha dos maridos e pais cristãos. Os homens não devem ser covardes, mas líderes e bons governantes de suas próprias casas. Na falta de moderação nas mulheres, sendo o marido ou pai é um cristão, deve ser levantado à seguinte questão: será ele têm deixado bem claro o que os homens pensam? Maridos que deixam suas mulheres se vestirem de forma indecorosa, são, na melhor das hipóteses, negligentes ― talvez tenham ficado tão acostumados que se tornaram insensíveis quanto ao efeito que a aparência delas provoca nos demais homens. Os pais podem ser simplesmente fracos ao não querer explicar às suas filhas a verdade sobre a forma de vestir ou esperar até que elas saiam da linha que evidencia suas amigas; o resultado disso é um mais baixo nível no vestir. Ou talvez, um pai pode estar tão acostumado em pensar na sua filha como uma garotinha e assim não é capaz de ver que sua garotinha se tornou uma mulher e um objeto de desejo de outros homens.


Oitavo, este assunto nunca deve ser usado como uma desculpa para o pecado dos homens. Se um homem cobiça uma mulher que não é sua esposa, ele está pecado. O islamismo é particularmente mau em jogar toda a responsabilidade do pecado sexual masculino nas mulheres. Dr. Patrick Sookhdeo diz o seguinte a respeito da visão islâmica da mulher: “Elas são consideradas uma fonte de tentação para os homens e devem ser protegidas de suas próprias fraquezas” (Islam — The Challenge to the Church, 2006, p.32). No islamismo a culpa pelo pecado sexual é lançada totalmente sobre as mulheres. A verdade é que toda cobiça masculina é pecado e é um pecado deles. Ele só se torna um pecado da mulher se ela o provoca através da sua forma de vestir ou do seu comportamento.


Nono, a responsabilidade da mulher é limitada. Não se exige de uma mulher que evite toda a cobiça masculina, somente para se assegurar que não é ela quem está provocando. Os homens cobiçam sexualmente as mulheres, não importando como elas estejam vestidas. Mesmo que elas se vistam de saco dos pés à cabeça, os homens ainda serão capazes de adulterar no coração. O islamismo é um testemunho vivo do absurdo de se pensar que limites externos podem resolver o problema do pecado. Também é um testemunho da incapacidade da falsa religião para mudar o coração. Recentemente ficamos surpresos ao ler uma notícia acerca de missionárias que trabalham num país islâmico, onde as mulheres andam totalmente cobertas dos pés à cabeça não deixando nada à vista exceto os olhos, são constantemente assediadas no mercado local. Se as toca ou as molesta com intenções sexuais Elas são molestadas e assediadas sexualmente, embora sua aparência esteja escondida; mesmo assim os homens ainda pecam. Martinho Lutero, antes de sua conversão, disse que quebrou o sétimo mandamento mais vezes quando estava em sua cela no monastério do que quando fora dela. O pecado pode operar no coração e na mente sem qualquer estímulo visual.


Décimo, o nosso propósito não é fazer com que as mulheres se façam excessivamente analíticas e críticas consigo mesmas, mas desejamos produzir uma consciência sã e equilibrada de se vestir para a glória de Deus ― que reflitam como se vestem. Queremos oferecer algumas orientações gerais. Não buscamos uma preocupação insana, mas um sério interesse em obedecer a Palavra de Deus. Este o escopo de nosso assunto.

A DIFICULDADE DO ASSUNTO

Se trata de um tema constrangedor. É difícil se ouvir e ainda mais difícil se falar sobre o assunto. Este é o motivo pelo qual este assunto é mui frequentemente ignorado em círculos cristãos. É como se houvesse um enorme elefante na sala impossível de não se ver, porém ninguém se atreve a mencionar. Tanto é assim que os cristãos estão muito conscientes do problema, mas ninguém quer ser aquele a dizer algo. Os pastores naturalmente permanecem em silêncio. Afinal, aqueles que falam são vistos como radicais ou como quem tem algum tipo de problema pessoal com o assunto. Confessamos que nós mesmos não temos ousado nos aprofundar no assunto. Nos últimos 20 anos de pregação temos nos referido a isto apenas ocasionalmente. Há 11 anos temos organizado reuniões mensais após o culto e esse é o tempo que temos demorado para abordarmos o assunto. Então, o fazemos agora depois de anunciarmos o assunto com uma prévia antecedência e que ajuda bastante. Ajuda ao pastor a não adiar para outro dia, embora, seguramente seria o que alegremente desejaríamos fazer. A verdade é que a grande maioria dos homens luta contra o pecado na esfera sexual, todavia o vestuário imodesto das mulheres torna isto ainda mais difícil para eles. Provavelmente 95% dos homens admitiriam esta verdade, a não ser que fossem mentirosos. Portanto, esta é a razão pela qual este assunto deve ser abordado. Pois, se não fizermos menção dele a situação não melhorará podendo até piorar no futuro.

Em uma reunião relativamente pequena, falar sobre o tema torna-se algo incômodo. Portanto, faremos algo que normalmente não fazemos e dizemos que esta palestra está sendo gravada. Faremos assim, não porque ela não tenha aplicação para os presentes, mas porque pode ser que cada detalhe do que se diz não se aplique a todos os estão presentes. Não fique sentado aí, pensando: “De quem será que ele está falando agora?”. Caso, algo se aplique a você, receba-o em seu coração Se não, pode ser que seja de ajuda a outra pessoa que o escute posteriormente. No entanto, todos nós precisamos ter conhecimento deste ensino bíblico e não apenas individualmente. As mulheres cristãs, mas os pais também precisam saber para ficarem alertas. Afinal, são eles que instruirão suas famílias, suas filhas a terem uma visão biblicamente correta sobre a moderação cristã no vestir-se.


Existe uma dificuldade em se definir moderação e até mesmo em se encontrar um ponto de partida. Por onde começar? Há tantas variáveis sugeridas que são praticamente impossíveis por onde abordar o tema. No entanto, se o assunto está na Escritura como um requisito para as mulheres cristãs, logo, é possível de ser abordado apesar destas variáveis o fazerem difícil. Os homens variam naquilo que os afeta a cada um, não muito talvez, porém variam. Variam fisicamente como mentalmente. Certamente, aqueles que foram criados num lar cristão e abençoado pelo Espírito de Deus desde o início de suas vidas, tendo suas mentes repletas de coisas boas, tendo rompido com os padrões de pensamentos pecaminosos, estes levam vantagem. Há, ainda a perda da sensibilidade a que nos acostumamos. Uma moda que é altamente provocativa e impactante, num primeiro momento, pode se tornar relativamente banal com o passar do tempo. Veja quantas variáveis!