top of page
  • Os Puritanos

A Escatologia do Saltério

Cantando Salmos — uma ordenança, um dever e um deleite para os cristãos


Por que a Igreja não tem senso de justiça ou indignação com o fim do Saltério?


No Livro Comum de Oração dos Anglicanos (LCO), há um fato fascinante. Em primeiro lugar, há um cronograma de leitura para cobrir todo o Livro dos Salmos a cada 30 dias. O que equivale a 5 salmos por dia. Assim, todos os anos, todo o Livro dos Salmos é coberto 12 vezes! Além disso, há também a versão métrica do saltério para cantar. Por outras palavras, uma dose dupla. Mas por quê? Há muitas razões, mas uma bastará, por enquanto, como um manual de instruções. Dentro do saltério, toda doutrina da fé cristã está presente. Com o fim da salmodia, isso explica por que a Igreja se tornou tão ineficaz, fraca, afeminada e francamente inútil. A ordem do que veio primeiro, eu vou deixar para outros comentarem. Mas por que a Igreja não tem senso de justiça ou indignação com o fim do cântico dos salmos? Resposta: Porque está muito ocupada cantando canções de amor (romantizadas). O LCO tem então algo a nós ensinar. O que precisamos é de uma dieta persistente de salmodia. Cinco gotas por dia para o resto de nossas vidas. O que me leva ao ponto em questão, como indicado no título. Qual é a perspectiva para a Igreja? Destruição? Derrota? Aniquilação? Não é assim de acordo com os Salmos.

Como Vos tão eloquentemente nos lembra, existem certas edições da Bíblia que têm o Saltério anexado como um apêndice que tem o curioso resultado de trazer o Apocalipse e os Salmos para para estarem imediatamente próximos (para aqueles que estão interessados por tais Bíblias, compre-as!). Daí o nosso assunto em questão.


Alguns benefícios por cantarmos os Salmos

Em primeiro lugar, uma visão linear da história. O mundo pode cantar com os egípcios – "toda a minha vida é um círculo", o cristão canta, contrariamente, que Deus é o Senhor da história e a dirige para a Sua própria glória e para o bem da Igreja. O mundo pensa em termos de ciclos que se repetem. Foi a partir de tal mitologia e irracionalismo que Deus libertou Israel e os manteve longe dele, mesmo quando eles desejavam retornar a ele, tal é a tolice de seu povo que muitas vezes retorna à sua loucura (Sl 85:8).

Em segundo lugar, há uma obra que Deus está fazendo neste mundo que ele levará à perfeição (90:16). Central para a sua obra é a redenção (114). Não é o trabalho social, os centros de emprego, as oficinas de aconselhamento jurídico, o tratamento da dívida e a miríade de outras atividades que estão subsumidas sob o que é eufemisticamente chamado de "ministérios da misericórdia". A redenção é a grande obra de Deus no mundo e é o que a Igreja celebra continuamente. A iniciativa soberana de Deus em um mundo de inimizade contra ele. Quem ganha, o homem ou Deus? A resposta é óbvia.

Em terceiro lugar, o nosso destino. O saltério apresenta à Igreja e ao crente a nova Jerusalém que é tão significativa no Apocalipse. Há uma "espera pela manhã" (130:6) onde a espera está no contexto da redenção. Esperar é, naturalmente, uma graça do NT (1 Ts 1:9 e 10). Não é o caso de que a Igreja moderna não está mais se aproximando do céu, ou buscando o céu, ou anseia pelo céu? Não é o caso de que o cristão moderno e a Igreja são quase exclusivamente ligados à terra? Seu olhar está para baixo.

Em quarto lugar, a prosperidade da Igreja. Enquanto vivermos neste mundo, há tais problemas, dor, aflição, tristeza e aflições que dizemos muitas vezes com o salmista "por quanto tempo, ó Senhor", mas nunca perdemos de vista a Igreja e, assim, cantamos com o salmista — o tempo definido para favorecer Sion chegou. Junto com isso está o senso de julgamento. Julgamento sobre os ímpios e os inimigos da Igreja.

Em quinto lugar, ver a Deus. Quantas vezes as Escrituras nos apontam para essa verdade. Não dizemos como Jó: Eu sei que o meu Redentor vive e eu o verei? João diz que o contemplaremos (1 João 3:2). A visão beatífica está em toda parte que parece nas Escrituras. Mas, infelizmente, quão raramente a ouvimos cantada. O salmista corrige esse defeito. No meio da angústia sobre a prosperidade dos ímpios, ele é levado a ver que ter Deus é ter tudo. O que é o céu, senão estar com ele? Como diz o salmista, "quem tenho eu no céu senão tu? e não há ninguém na terra que eu deseje além de ti. Minha carne e meu coração falham, mas Deus é a força do meu coração e da minha porção para sempre".

Em sexto lugar, a glória de Deus. O propósito final de todas as coisas é a glória de Deus. É por isso que Deus fez o mundo. Grosseiramente, muitos pensam que existimos para nós mesmos. Esta é a altura máxima do pecado (Rm 3:23). Na salvação, somos levados a perseguir nosso propósito correto, a fazer tudo para a sua glória (1 Co 10:31). O salmista nos leva para casa com a frase "por amor do teu nome".

Em sétimo lugar, o triunfo de Cristo e do seu Reino. Ninguém pode cantar o Salmo 72 e não ser preso com a convicção absoluta de que as nações virão e o chamarão de bem-aventurado. Não é uma oração ou um desejo, mas uma declaração de fato. De expectativa. Seu nome será abençoado pelas nações, Sua glória se sobressairá, toda a terra será cheia de Sua glória. Qualquer coisa menos do que isso é derrota.

 

Rev. E Trevor Kirkland. Tradução livre do artigo disponível no site da Free Church of Scotland Continuing. Artigo original em inglês disponível aqui. A FCSC também está em Portugal, conheça-a clicando aqui.






98 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page