top of page
  • Foto do escritorOs Puritanos

Um homem para o nosso tempo

Podemos aprender algo a respeito de todos os que encontramos na Bíblia. Nosso principal interesse está nos homens e mulheres piedosos que glorificaram a Deus em suas vidas e nos mostram o que significa servir ao Senhor. Somos atraídos por um crente notável que se destacou em seus dias e ainda hoje. As Escrituras dão testemunho de muitos que eram “justos”, alguns que eram “perfeitos” e alguns que “andavam com Deus”, mas há um de quem todas essas coisas são ditas (Gn 6:9). Seria maravilhoso se no final da nossa estada neste mundo se pudesse dizer de nós o mesmo que de Noé!


Se você acha que Noé viveu em tempos muito diferentes dos nossos, ouça estas palavras: “Como foi nos dias de Noé, assim também será nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os destruiu a todos” (Lucas 17:26,27). Cristo nos adverte que no tempo antes de Seu retorno as pessoas viverão vidas mundanas e ímpias, assim como fizeram em todos os séculos passados. Para tais, “o dia do Senhor virá como o ladrão de noite” (1Ts 5:2); eles não esperarão por isso e sua perda será total e definitiva. Hoje, uma maré ímpia ameaça varrer tudo à sua frente. Noé resistiu a essa maré em seus dias e nos mostra o que Deus requer de nós se quisermos resistir a ela em nossos dias.


Encontrando a Graça


O que sabemos sobre Noé? Acreditamos que ele teve uma educação piedosa. Após a Queda, houve duas linhagens na família humana; Noé foi a oitava geração na linha divina de Sete. Embora Noé nunca o tenha conhecido, o extraordinário testemunho de seu bisavô Enoque (Gn 5:22-24) foi transmitido a ele e isso teve um bom efeito. A profecia de Enoque sobre o dia do ajuste de contas (Jd 14,15) também o desafiou. Noé também foi poupado para viver por quase mil anos. No entanto, nenhum desses privilégios poderia trazer a salvação por si mesmos.


O que as Escrituras enfatizam é ​​que Noé “achou graça” (Gn 6:8). Poderíamos dizer também que a graça encontrou Noé. Desde toda a eternidade, o Senhor olhou para Noé com amor, dando a conhecer esse amor a ele no tempo. Este favor imerecido é visto no contexto de um grande declínio moral e espiritual. A depravação total do homem era muito evidente e o julgamento divino era iminente (6:5-7). Essas coisas se refletem em nossos tempos! O Senhor estabeleceu Sua aliança eterna de graça com Noé e sua família, para livrá-los do dilúvio que destruiria toda a carne (6:17,18).


Justificado pela Fé


Em Sua aliança, Deus abrange todos os Seus eleitos e é Ele toda a sua salvação. Os benefícios são desfrutados pela fé em Jesus Cristo. A promessa da Semente (Gn 3:15) manteve viva a esperança dessa salvação, e Noé foi capacitado pela graça a abraçar essa promessa pela fé. Seu nome significa “descanso” (Gn 5:29), e é isso que os pecadores obtêm quando vêm a Cristo (Mt 11:28); também significa “consolo”, e é isso que os crentes recebem de Cristo em todos os seus problemas (Jo 14:18). Noé seria o último patriarca do velho mundo e o primeiro de um novo.


A fé é “a substância das coisas que se esperam” (Hb 11:1). Noé foi justificado pela fé no Redentor que ainda estava por vir; ele era justo pela perfeita justiça de Cristo (Gn 7:1). Noé também era reto em seu caráter; ele viu grande maldade antes do dilúvio, mas não teve parte nisso. Isso não significa que ele estava sem pecado (Gn 9:20,21), apenas que ele era sincero na busca da piedade. Noé viveu com Deus em uma abençoada amizade e comunhão, e o Senhor significava tudo para ele.


Tremendo com a Palavra de Deus


O Senhor disse a Noé o que iria fazer e o que Noé precisava fazer. Para sobreviver ao dilúvio global, ele deve fazer uma arca e torná-la estanque (Gn 6:14). Nunca houve uma gota de chuva desde que o mundo começou (Gn 2:5,6), mas Noé, “sendo avisado por Deus de coisas ainda não vistas, movido de medo, preparou uma arca para a salvação de sua casa” (Hb 11:7). Ele fez isso pela fé e pelo temor: ele acreditou e reverenciou a Deus e Sua palavra. Isso o tornou ousado e nem um pouco temeroso do homem, do diabo ou do fracasso. Esta é a confiança que pertence à fé verdadeira, dada por Deus.


Onde está esse espírito hoje? Diante dos ataques do maligno, a igreja cede e recua. Nossa igreja nacional não treme mais com a palavra de Deus; em vez disso, cede àqueles que, em nome da 'igualdade', exigem que ele acomode seus desejos e estilos de vida pecaminosos. Os muros da verdade e da retidão estão sendo derrubados e pontes estão sendo construídas para o mundo. Isso é uma total tolice, mas nenhuma igreja está isenta de seguir esse caminho. Ore por mais temor a Deus e um zelo santo para batalhar pela fé onde quer que Deus nos coloque! A nação e o reino que não servirem a Deus perecerão (Isaías 60:12): se realmente amarmos nossa terra, então soaremos esse aviso.


Construindo a Arca


Deus deu a Noé as especificações para a arca (Gn 6:14-16). Foi uma tarefa enorme, que levou décadas para ser concluída. A arca deveria conter não apenas Noé, seus filhos e suas esposas, mas pares de todos os seres vivos e comida para todos. Um novo mundo estava na arca! Os ímpios zombaram da ideia de um dilúvio, mas sendo a fé “a prova das coisas que não se veem” (Hb 11:1), Noé acreditou que o dilúvio aconteceria e começou a construir a arca. Ao fazer isso, ele foi obediente ao Senhor, servindo-O de todo o coração (Gn 6:22). Por sua obediência, Noé “condenou o mundo” (Hb 11:7): ​​ele mostrou aos outros o que eles precisavam fazer para escapar do julgamento divino, e aqueles que pereceram nas águas ficaram sem desculpa. Noé era um homem de convicção. Estava presente em cada tábua que serrou, em cada prego que martelou e em cada piche. Ele desviou os olhos do pecado e da vaidade do mundo, fechou os ouvidos às suas provocações e continuou seu trabalho. Todo cristão precisa disso: a capacidade de se apegar a qualquer chamado que tenhamos no reino, quer estejamos servindo ao Senhor em nosso emprego, na criação de uma família ou como membros de Sua igreja. Se mantivermos em vista o nosso fim principal — a glória de Deus e o bem eterno das almas, inclusive das nossas — perseveraremos em todas as dificuldades e desânimos. “Sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1Co 15:58).


Pregando a Justiça


Quando seus filhos nasceram, a preocupação de Noé era com a alma deles. Como um pai piedoso e amoroso, ele ensinou a Sem, Cam e Jafé as coisas relativas à salvação. Noé era “um pregador da justiça” (2Pe 2:5); por suas palavras e ações, ele proclamou a justiça de Deus, pela qual o pecado é julgado, e a justiça de Cristo, pela qual os pecadores são justificados. Enquanto ele e seus filhos trabalhavam, ele explicou aos espectadores como a arca prenunciava a salvação eterna por Cristo. Através da pregação de Noé, o próprio Cristo pregou ao povo (1Pe 3:18-20). Noé foi salvo antes de entrar na arca, mas suas ações piedosas mostraram que ele era um crente genuíno e se tornou “herdeiro da justiça que é pela fé” (Hb 11:7).


Oh, se mais pais hoje treinassem seus filhos consistentemente no caminho em que devem andar! Então a igreja na Escócia estaria aumentando em vez de diminuir. Oh, que mais ministros fossem levantados por Deus para pregar Seu evangelho da graça fiel e sinceramente! O julgamento final está chegando e os pecadores precisam ser advertidos a fugir da ira vindoura. Mesmo que aqueles que ouviram sua pregação zombassem dele, Noé não podia ficar calado; ele amava a Deus e amava as almas dos homens. Arrependamo-nos de nosso egoísmo e indiferença, e sigamos Noé e outros que brilharam como luzes neste mundo pecaminoso, “retendo a palavra da vida” (Fp 2:16).

“Nossa sociedade degenerada agora ostenta um arco-íris como símbolo de sua rebelião contra Deus.”

Vencendo o Mundo


Oito pessoas foram salvas do afogamento por estarem na arca, assim como foram salvas de seus pecados por estarem em Cristo. Depois de um ano a bordo, Noé saiu da arca e pôs os pés em terra firme novamente. A primeira coisa que ele fez foi adorar a Deus, construindo um altar ao Senhor e oferecendo holocaustos dentre os animais limpos preservados na arca (Gn 8:20). Deus assegurou a Noé que nunca mais destruiria a terra com um dilúvio, fazendo uma aliança com toda a criação e designando o arco-íris como símbolo de Sua promessa (Gn 9:11-15).


Nossa sociedade degenerada agora ostenta um arco-íris como símbolo de sua rebelião contra Deus. As autoridades querem que todos desfilem atrás dele, mas o arco-íris do qual muitos se orgulham é falso. Sua mensagem não é preservação, mas destruição. A volta de Cristo verá a “perdição” dos ímpios, mas “novos céus e uma nova terra” para os justos (2Pe 3:7,13). Como Noé nos mostra, o mundo nunca vence a igreja: é sempre o contrário. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1Jo 5:4).

 


Tradução livre do editorial da revista Witiness Free Church, publicada pela igreja Free Church of Scotland (Continuing) em dezembro de 2022, editada por David M. Blunt. O original está aqui disponível. A FCSC também está em Portugal, conheça-a clicando aqui.

Recomendação: A vida do profeta Elias

663 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page